segunda-feira, 23 de março de 2009

Rosas e espinhos

Há quem diga que melhor o momento de qualquer viagem é o instante em que voltamos para casa. Viajei, cheguei em casa há dias e até agora não senti esse gostinho...Ainda vivo um choque de realidade e não tenho vontade de acabar logo com isso. Respeito a existência desse sentimento e acho mais que natural sentir falta de tudo - da louça que eu não precisava lavar, passando pelos lugares e pessoas incríveis que conheci para chegar ao ponto primordial da experiência de uma viagem feita em família: o aprendizado de que muito mais que com(viver), o grande desafio da vida é amar as pessoas que a vida lhe deu e que você escolheu, da maneira que elas são.
Os dias de estreita convivência com minha irmã, pais, tios, primas, velhos conhecidos e novos amigos, só confirmaram que seria um grande desperdício abrir mão de curtir a pluralidade de sentimentos que a diferença oferece. Não falo apenas da utilidade prática desse aprendizado, porque não quero me ater às virtudes que me ensinam a ter ou mesmo aos defeitos que evito, a partir do que vejo nos outros. Acima de rosas e espinhos enxergo a grandeza da existência de cada ser e por isso, quero amá-los generosamente.

5 comentários:

Camila Dantas disse...

Concordo em gênero, número e grau com tudo o que você disse/escreveu. Conviver com as pessoas e aceitar suas qualidades e defeitos é, de fato, um aprendizado e uma tarefa árdua, mas também muito gratificante. Agradeço de verdade a oportunidade de conviver cada vez mais com pessoas que são muito importantes para mim.

bjim

fernandaseven disse...

É impressionante como vc consegui traduzir em palavras os sentimentos que são comuns a todos nós!!! E concordo plenamente amar as pessoas na sua totalidade, ou seja, com defeitos e qualidades, é um dos maiores desafios que temos, mas certamente é recompensador!!!

BJO

Dzavam disse...

É incrível como você em poucos dias viveu duas experiências fascinantes, em uma postagem anterior você revela uma viagem meio que selvagem, por uma praia não revelada e nesta uma viagem em família. Quem bom que você tenha vivido estas experiências, porque a única forma de realmente conhecer o mundo é viajando e para conhecer a natureza profundamente é refugiando-se em seus redutos selvagens, principalmente nas montanhas e praias, mas para conhecer gente o melhor caminho é a convivência em locais incomum !

Bjs..

Cynthia Pacca disse...

Nada como "experimentar" novas sensações, principalmente, com nossos familiares que temos a sorte de ter. Aprender a valoriza-los, respeita-los, de certa forma compactuar com eles em várias coisas e idéias. A viagem em família serve para nos doar. Se alguém não se doou, não viveu, aprendeu, ganhou.
Beijos

Raquel Medeiros disse...

Fiquei emocionada com teu cométário porque você resumiu muito bem a moral da história - doação é o princípio de tudo - de todo o aprendizado, crescimento e ganho emocional. Lindas palavras, Cyn!
Beijos